RESENHA | O Anjo de Michael, Fabiane Lopes

Chloe é um anjo que foi enviado para ajudar Michael a não atentar contra sua vida. Porém, sua maneira de viver em pecado não condiz com o homem charmoso que ela descobre que ele é. Ajudar esse homem sem se envolver com todas as tentativas de sedução que ele usa com ela, não é nada fácil. Como mudar o trágico destino de Michael sem se apaixonar vira uma missão quase impossível para ela e o destino parece querer atrapalhar ainda mais sua fidelidade aos céus.

Logo que descobri que “O Anjo de Michael” seria um romance, tive certo preconceito em relação a ele. Como leitora não sou uma grande fã dos romances, porém deixei de lado todo os meus julgamentos de gêneros literários e posso dizer que a obra possui aspectos interessantes que me lembram os filmes hollywoodianos e seriados que abordam essa pegada mais “teen”, com partes românticas e picantes.

Michael é um homem bonito, bem-sucedido e mulherengo. Basicamente ele tem tudo, menos a felicidade. É exatamente por isso que Chloe Angel é designada para ser seu anjo da guarda: por que um homem com tudo tinha tão pouco? Aonde estaria a falha que o matava por dentro? Assumindo a forma humana – e sujeita a todos os nossos sentimentos impuros – nossa personagem principal decide investigá-lo. Só não contava com o imprevisto de se apaixonar.

Imagem relacionada
Apocalipse 4,6-8: “À frente do trono, havia como que um mar vítreo, semelhante ao cristal. No meio do trono e ao seu redor estavam quatro Seres vivos, cheios de olhos pela frente e por trás. O primeiro Ser vivo é semelhante a um leão; o segundo Ser vivo, a um touro; o terceiro tem a face como de homem; o quarto Ser vivo é semelhante a uma águia em vôo. Os quatro Seres vivos têm cada um seis asas e são cheios de olhos ao redor e por dentro. E, dia e noite sem parar, proclamam: Santo, Santo, Santo, Senhor Deus Todo-poderoso, Aquele-que-era, Aquele-que-é e Aquele-que-vem”

É interessante ver o conflito entre a santidade de um anjo com uma alma humana: a questão de amar ou não amar, ser ou não ser. Há um receio dentro dela, uma voz que diz que ela não pode se apaixonar pela vida terrena, ao mesmo tempo outra voz diz para que ela abandone todo o resquício de imortalidade e pureza para que fique com seu eu humano. Para que ame, não de maneira completamente pura, mas sim com uma paixão avassaladora. Porém, me parece que a autora pode ter deixado de abordar algumas questões que são consideradas essenciais para a história, provavelmente por receio de deixá-la mais séria ou mudar o enfoque do enredo. De acordo com a religião judaico-cristã – a mais conhecida e com maior número de fiéis – os anjos são entidades perfeitas, sem um gênero e incapazes de obter sentimentos humanos. Alguns anjos foram feitos para adorar e cantar, para enviar mensagens e outros até mesmo para batalharem no Mundo Espiritual. Em relação com o livro, a personagem principal já possui características não pertencentes à índole celeste, a não ser que hajam referências externas de outras religiões que possuam esse tipo de crença. Como a autora não deixa isso explícito, é de se imaginar que  história foi então baseada na religião judaica-cristã. Creio que o cuidado com a moral cristã poderia ser revisado, pois algumas partes da obra podem acabar ofendendo aqueles que não acreditam em uma certa “carnalidade” em seres celestiais, já que a própria Bíblia os tratam como esses seres não humanos. A história se trata então de uma moça e um rapaz, já que a personagem em si perde sua “aura angelical” ao lidar com o desejo e as relações do cotidiano.

Resultado de imagem para encontro com um anjo
“Encontro com um anjo” de 1987, uma comédia romântica que também explora o romance entre um humano e um anjo.

Em questões de ortografia e corpo do texto, os únicos erros encontrados foram os de digitação. Nada muito grave e nem atrapalha na compreensão da leitura. É uma leitura fácil e com poucas páginas. Devorei tudo em uma tarde. O fim da obra consegue despertar curiosidade sobre o que poderia acontecer depois, mesmo sendo um daqueles romances “água com açúcar” que eu, como leitora, não aprecio. É importante lembrar que há algumas cenas quentes que rompem com esse romance idealizado, recomendado para aqueles que gostam de uma “apimentada” em medidas certas dentro da leitura.

Para aqueles que tiveram um dia corrido no trabalho ou faculdade, “O Anjo de Michael” é justamente o livro que vocês precisam ler ao chegarem em casa. É basicamente como aquele filme de comédia romântica que você assiste porque espera um final feliz, e consegue relaxar quando desliga a TV.

Boa leitura!

A história está disponível na Amazon, bem aqui!

Facebook Comments

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: