RESENHA | Casa 113, Pedro Castellan

Casa 113
Autor: Pedro Castellan
Ano: 2017
Editora: Independente. Disponível no wattpad gratuitamente.
Sinopse: 

Lendas e histórias. Uns dizem que são pura fantasia. Outros acreditam que cada (ou toda mesmo) uma delas tem um fundo de verdade.
Os irmãos Carter cresceram ouvindo histórias de terror de seu avô. Eles sempre foram fascinados por elas. Mas a que eles mais eram atraídos era sobre uma velha casa do bairro. A casa 113.
Reza a lenda que toda alma viva que entrava, jamais saía.
Era noite de Halloween, e os jovens junto com alguns amigos vão até a velha construção para brincar com os espirítos que ali vivem. Brincar com quem já deixou o nosso plano nem sempre sai da maneira que esperamos.

104348012-176-k524659

 

O conto é uma narração curta em terceira pessoa, o qual vai nos falar sobre dois irmãos, Thomas e Josh Carter, que cresceram ouvindo as histórias do avô sobre a casa de número 113 que se localizava no fim da rua.

Em um halloween, já adolescentes, os dois irmãos juntos de alguns outros amigos, resolvem testar sua própria coragem e adentrar a misteriosa residência. Com um tábua ouija em mãos, o grupo de jovens quer atestar por si mesmo se as histórias que rondavam a casa 113 eram somente histórias, ou se algo a mais se escondia dentro daquelas paredes.

Casa 113 é um conto muito curto, com uma narração fluída e um desenvolvimento das personagens superficial devido ao tamanho da narrativa. A intenção do autor não é nos mostrar uma grande aventura, um suspense profundo ou um incrível terror psicológico.  Casa 113 é o que é. Um conto. Uma eterna metalinguagem.

Uma Lenda Urbana de uma Lenda Urbana.

Jovens que escutaram as histórias de seu avô que eram lendas urbanas e após desrespeitarem estas lendas, acabaram se tornando uma.

Casa 113 é um conto que não se estende, mas que prende o leitor do começo ao fim, e como cita Pedro Castellan ao final de sua narração:

“Algumas lendas devem permanecer assim. Apenas histórias.”

Casa 113 está disponível no wattpad, acesse aqui.

Resenha feita por Leo Moreno.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: