PRIMEIRAS IMPRESSÕES| Revolução a lá suicida de Fellipe Barreto

Revolução a lá suicida, com certeza o título concede um impacto a história, principalmente quando se soma a capa que é composta pela bandeira do Brasil e sangue, o que já desde o início com a sinopse, chama a atenção.

De cara eu fiquei empolgada, é um tema que geralmente me prende, revoltas contra o sistema e tudo mais. Confesso que imaginei que a história seria contada a partir de um grupo, que estivesse em busca de mudar o sistema.

E já no prólogo sou surpreendida positivamente.

O autor começa falando que o romance foi inspirado na situação crítica que nosso país está vivendo e isso sem dúvida me deixou animada, por ser afinal, um tema que estou inserida.  A história teria como personagem principal um presidente da república apresentado de forma humana. Bernardo é exatamente isso, humano com defeitos mas ao mesmo tempo parece ser o herói de toda uma nação. O restante dos personagens também são bastante diversos, um jornalista, uma prostituta que também é a mocinha da história, uma atriz infiel e tudo isso compõe um enredo que está se costurando através deles e suas imperfeições.

Depois do prólogo a história começa sem enrolação, com o país em um estado de Sítio e diversas referências ao nosso passado, deixando o livro com um aspecto bem realista. E termina com um suicídio que te deixa tentando entender o porquê de ter acontecido e qual a história por trás dessa decisão tão drástica. Com o prosseguir da história que volta para antes do acontecimento para que possamos acompanhar os detalhes.

Temos em foco a vida do presidente e as coisas que ele tem que abrir mão, seus erros, seus acertos e o quão adorado pela população ele é. Ao mesmo tempo em que parece uma contradição ambulante onde no âmbito pessoal é alguém calmo e afável e no meio de trabalho tem decisões forte e até um pouco autoritárias.

Enfim o livro já me deixou curiosa com esse começo e enquanto vou acompanhando vou entendendo (e amando) os personagens que não estão se configurando como vilão ou mocinha, mas como pessoas. O tema central do livro será o romance? Essa também será a causa da destruição se toda uma reputação? Por que o país que parecia estar finalmente passando por um momento de paz entrou em caos?

Logo que terminar a leitura e responder essas perguntas, sairá a resenha sobre esse livro sobre um Brasil futurístico e (talvez) um pouco melhor que o que vivemos hoje.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: