ENTREVISTA | Rafael Rocha, autor de Olhar da morte Ametista.

Olá, voltando com o nosso quadro “Entrevistas”, Rafael Rocha será o nosso segundo entrevistado, ele é o autor do livro o Olhar da Morte Ametista, que está disponível na plataforma do Wattpad e no final da entrevista estará o link do livro para quem quiser conhecer essa maravilhosa obra!
Então vamos lá!

oolhardamorte

C.L.: Antes de começar nos fale um pouco sobre você:
R.R.: Meu nome é Rafael Rocha e nasci no Rio de Janeiro em 1990. Desde pequeno adoro videogames e jogos de RPG, como os livros da série Aventuras Fantásticas.
Trabalho como analista de sistemas e sou um cara sossegado, mas bastante direto e lógico. Fui criado num lar tranquilo e com incentivo para ser uma boa pessoa e a dar valor ao saber. Tenho orgulho das minhas tradições, crenças e costumes.
C.L.: Há quanto tempo escreve?
R.R.: Escrevo desde criança, então tem uns vinte anos… Já escrevi muitas poesias e letras de música, mas nunca tinha me metido a escrever um livro, uma obra grande. Resolvi encarar esse desafio em janeiro de 2016.
C.L.: Quando descobriu seu amor pela escrita?
R.R.: Não tem um momento específico, mas eu lembro que quando criança eu escrevia muita porcaria e sonhava com o dia que eu iria conseguir escrever algo que agradasse a mim mesmo. Bom, esse momento já chegou. Na minha casa sempre tivemos muitos livros e sempre tive o incentivo de ler, embora tenha lido menos do que deveria. Sendo assim, acho que esse amor vem desde sempre, a decisão de escrever mais a sério não foi nada absurdo ou inimaginável para mim e minha família.
C.L.: Qual seu livro e autor preferido?
R.R.: Só pode escolher um? A Ascensão da Sombra, de Robert Jordan.
C.L.: Que gêneros você lê?
R.R.: Eu leio principalmente fantasia, mas também gosto de histórias de detetives, mistérios, horror e terror, e até mesmo autoajuda.
C.L.: Quando e como foi que surgiu a ideia de escrever O Olhar da Morte Ametista?
R.R.: Surgiu após uma conversa com um amigo meu que também é autor. Resolvi fazer um matador bem sanguinário, mas de um jeito descerebrado, algo como aqueles filmes de ação dos anos 80. Escrevi os dois primeiros capítulos tentando fazer isso mas algo dentro de mim me fazia deixar o tom mais sério, uma história mais adulta. Deu no que deu.
C.L.: Eu acompanho seu livro e para quem não sabe, você pausou e reescreveu. O que te fez parar e refazer tudo?
R.R.: O motivo principal é que a história não estava indo a lugar nenhum. Não havia desafio aos personagens no presente.
C.L.: E depois de tudo valeu a pena fazer as mudanças?
R.R.: Com certeza!
C.L.: Em algum momento pensou em parar de escrever?
R.R.: Não pensei em momento algum, justamente recomecei a escrever ainda no começo para não ficar desanimado de ter que refazer tudo quando estivesse com uma versão pronta.
C.L.: Você escreve ou já escreveu outro livro (s)?
R.R.: Eu escrevi dois contos, cada um para uma antologia diferente, ambas produzidas pela SPZ Editora. Um deles, chamado O Botânico, é de comédia (está mais para tragicômico, na verdade), lançado na antologia “Primeira Vez” e o outro, chamado A Torre, é de terror, lançado na “Calafrios da Meia-noite”.
C.L.: Dê uma dica para quem está começando a escrever agora.   
R.R.: Escreva aquilo que você quer! Não siga tendências da moda pelo simples fato de ser moda, faça isso apenas se é aquilo que você realmente almeja.
O processo de escrever envolve bastante estudo, então estude! Tire aquelas dúvidas chatas que você tem sobre o idioma, aprenda (e consulte dicionários de) sinônimos, veja dicas de como elaborar o enredo, sobre arquétipos de personagens, fuja da mesmice, não faça personagens que sejam “você” e imagine algo diferente.
Seu papel é dar vida à coisas imaginárias, então que essas coisas sejam proveitosas e interessantes, que tragam algum valor e proveito para você e quem quer que venha a ler.
 C.L.: E para encerrar nosso papo, diga para nossos seguidores porque eles podem e devem acompanhar sua obra. O que ela tem de especial? O que o leitor deve esperar?
 R.R.: Minha obra retrata os conflitos de duas pessoas, uma jovem aventureira e um assassino experiente e amaldiçoado.  Eles se juntam de uma maneira fortuita e aos poucos vão percebendo que um tem algo a ensinar para o outro, pois ambos tem assuntos mal resolvidos no passado.
É um livro cheio de ação e de elementos fantásticos, mas sem nunca perder de vista o coração do ser humano, seus medos, suas esperanças e anseios.
Rafael Rocha o CLUBE DE LIVROS agradece sua disponibilidade de tempo e de confiança no nosso trabalho e desejamos que seu livro se torne físico, pois esse é o desejo de todo autor.
Abraços a todos e até a próxima!
Facebook Comments

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: