ENTREVISTA | Autor Elielton Castro

Texto de Pedro Castellan

A paixão por livros entrou muito cedo na vida de Elielton Castro, ganhando incentivo principalmente por parte de sua irmã mais velha. Em casa, tinha à disposição uma estante com os mais variados títulos: dos clássicos aos menos conhecidos. Porém, conforme crescia, Elielton ia se encontrando na literatura, até se deparar com seus verdadeiros amores: os livros de mistério, de suspense, de terror – Edgar Allan Poe sempre será seu maior ídolo.

Atualmente, aos 22 anos, é um consumidor nato não apenas de livros dos gêneros prediletos, como também de filmes e séries, que refletem diretamente em suas obras.

Clube de Livros: Com quantos anos você começou a escrever? E qual foi sua primeira obra?

Elielton Castro: Eu lembro que as primeiras histórias que criei foram na escola. Uma professora nos dava uma imagem qualquer, recortada de um livro ou revista, e nós tínhamos que criar uma narrativa a partir dela. Eu adorava essa atividade. Porém, a primeira vez que decidi escrever algo “seriamente” foi por volta de 2008/2009, um livro de temática apocalíptica que nunca cheguei a terminar. Passei cinco anos trabalhando nele, mas houve um momento que não estava mais me fazendo bem persistir, então dei a vez para outra história que estava na minha cabeça, a qual consegui concluir.

C. L.
: Por que recentemente você removeu seu livro Jezebel do wattpad?

E. C.: Antes de Jezebel, escrevi um livro chamado Capítulos de Sangue. Jezebel se passava no mesmo universo que este primeiro livro, e os finais de ambos não apenas convergiam, como se completavam. A princípio, a ideia me pareceu ótima. Um tempo depois, ela começou a me incomodar. Passei a achar que estava fazendo “mais do mesmo”, então decidi remover Jezebel a fim de reformulá-lo do início ao fim.

C. L.
: Você já passou por algum processo de bloqueio criativo? Se sim, como se livrou dele?

E. C.: Acredito que bloqueio criativo seja um mal que, em algum momento, irá afetar todos nós, escritores. Quando tenho um, dou um tempo na história e vou assistir a séries, ouvir músicas e ler livros que me inspirem. Ao me sentir mais confortável (e menos pressionado por mim mesmo), volto para a história que deixei esfriando. Releio o que escrevi por último, e reinicio os trabalhos. Geralmente a coisa flui novamente.

C. L.
: Para você, qual o passo crucial ao se criar uma história?

E. C.: Planejamento: esboçar o início, o meio e o fim. Eu acho que seja fundamental você ter ao menos uma ideia da história inteira que deseja criar. Contar apenas com a “inspiração momentânea” é como contar com a sorte.

C. L.
: Edgar Allan Poe é seu ponto de referência. Mas você tem mais autores em quem se inspira?

E. C.: Raphael Montes, sem dúvidas. Ele é atualmente meu autor brasileiro favorito, suas obras são de uma genialidade invejável.

C. L.
: Terror é sua maior área de trabalho. Mas se arriscaria em um outro gênero? Romance, por exemplo.

E. C.: Eu definitivamente não consigo me imaginar escrevendo romance, não é a minha praia. Eu prefiro coisas mais trágicas, viscerais, sanguinárias, e isso se reflete muito na minha escrita. Não sei se conseguiria criar um romance sem acabar transformando-o em algo medonho.

C. L.
: Quando você percebeu que terror ia ser sua praia? Foi como uma daquelas ideias malucas que surgem do nada ou foi algo de caso pensado e estudado?

E. C.: Em casa tínhamos uma estante com obras variadas. Meu avô materno sabia que minha mãe, minha irmã mais velha e eu gostávamos bastante de ler, então sempre nos mandava diferentes livros. Um deles foi justamente Histórias Extraordinárias, do Poe. Assim que o li, nasceu a paixão pelo terror.

C. L.
: Sua família te apoia? É presente sobre tudo o que você escreve?

E. C.: Sim! E isso é extremamente reconfortante. Minha mãe, minha irmã mais velha e minha namorada me dão total apoio e leem tudo o que escrevo (embora minha mãe morra de medo). Elas me incentivam e acreditam no meu trabalho, e eu serei eternamente grato as três por isso.

C. L.
: E para 2017 o que você nos reserva? Já tem algo pronto? Se sim, poderia nos dar uma breve descrição para sentirmos o gostinho do que está por vir?

E. C.: Estou desde novembro passado trabalhando em um mistério/suspense. Basicamente, contará a história de três jovens que se envolvem amorosamente. Mas um deles acaba articulando jogos psicológicos que levam os outros dois à loucura, o que culmina em um assassinato. O livro começa justamente no enterro de quem morreu, entretanto, não revela a identidade da vítima ou do assassino. A história então volta no tempo, e só no final é revelado o mistério.
Fim da entrevista.
Abaixo meu comentário que pode ou não ser relevante pra entrevista (risos).

Eu não sei vocês, mas eu já estou ansioso para tal obra. Como um bom amante de mistério / suspense acho que esta nova do obra do Elielton tem tudo para fazer sucesso. Se você ainda não conhece o trabalho do autor e quer conhecer, abaixo segue o link de seu perfil no wattpad. Lá você poderá encontrar algumas das histórias de suas obras publicadas na plataforma.

http://my.w.tt/UiNb/aER6y5cTmC

Facebook Comments

Um comentário em “ENTREVISTA | Autor Elielton Castro

  • 15 de abril de 2017 em 16:18
    Permalink

    Pedro, seu entusiasmo me entusiasma também, espero coresponder às expectativas. ♥

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: